Ferritina Sérica

EXAME DE FERRITINA SÉRICA

A ferritina é a principal proteína responsável pelo armazenamento de ferro nas células do corpo. Ela possui uma relação direta entre seu nível sérico e a quantidade de ferro armazenado. Sua produção ocorre no fígado e também pode ser encontrada na medula óssea, no baço e nos músculos esqueléticos. A pequena quantidade de ferritina liberada no sangue reflete a quantidade total de ferro armazenado no corpo. 

Cerca de 70% desse ferro é incorporado à hemoglobina nas hemácias. A maior parte do restante é armazenado nos tecidos como ferritina ou armazenado como hemossiderina, um complexo de ferro, e uma pequena quantidade é usada para produzir mioglobina e algumas enzimas. 

A ferritina é o ferro agem no sangue da seguinte forma, quando há ferro suficiente no corpo, as reservas desse metal serão consumidas e consequentemente os níveis de ferritina cairão. Esses níveis de ferritina e ferro só subirão quando for absorvido mais ferro necessário para o corpo. Portanto, a dosagem de ferritina sérica no sangue serve para avaliar a falta ou excesso de ferro no organismo.

QUANDO ESTE EXAME É SOLICITADO PELO MÉDICO?

Normalmente, este exame é solicitado quando há resultados anormais nos exames de rotina, como hemograma em que apresenta hemoglobina baixa e hematócrito baixo, hemácias são menores e mais pálidas que o normal (microcíticas e hipocrômicas), ou também quando há suspeita de deficiência de ferro ou a sua sobrecarga no sangue. 

Baixos níveis de ferro  geram alguns sintomas como: 

  • Fadiga crônica
  • Tontura
  • Fraqueza
  • Cefaleias

Caso essa deficiência aumente, podem ocorrer outros sintomas como falta de ar, tinido, sonolência e irritabilidade. Se a anemia aumentar, podem ocorrer dor torácica, cefaléia, dores nas pernas, choque e insuficiência cardíaca. As crianças podem apresentar dificuldades de aprendizagem. Além dos sintomas gerais de anemia, há alguns característicos da deficiência de ferro, incluindo pica (desejo de ingerir substâncias específicas, como alcaçuz, giz, poeira ou terra), sensação de queimação na língua ou língua lisa, feridas nos cantos da boca e unhas em forma de colher.

Níveis baixos de ferro são encontrados na anemia ferropriva,  dietas inadequadas, onde o paciente não ingere suficientemente o ferro, perdas sanguíneas por algum sangramento intestinal oculto, menstruação, ou até mesmo um tumor. Além disso, também há casos em que o paciente não absorve adequadamente o ferro que ingere, como em doenças inflamatórias crônicas e após cirurgia bariátrica, por exemplo. Na anemia perniciosa, logo após a administração de vitamina B12, ocorre o consumo acentuado de ferro e a consequente redução de seus níveis séricos.

Níveis de concentração elevados, aparecem em casos de terapia com ferro, hemossiderose, anemias hemolíticas, hepatite aguda, necrose hepática aguda, doenças inflamatórias crônicas e hemocromatose, por exemplo. Para confirmar o diagnóstico de hemocromatose, pede-se o exame do gene HFE para a confirmação da doença ou quando uma pessoa tem uma história familiar de hemocromatose.

Concentrações elevadas de ferro apresentam sintomas como:

  • Dor articular
  • Fadiga e fraqueza
  • Falta de energia
  • Dor abdominal
  • Perda da libido

      –    Problemas cardíacos

Vale destacar que quando o médico pede a dosagem de ferritina, normalmente ele solicita outros exames como a dosagem de ferro, a capacidade total de transporte de ferro, a saturação da transferrina, que irá avaliar o transporte de ferro no sangue e caso haja suspeita de hemocromatose hereditária, é solicitado também o exame do gene HFE para a confirmação dessa doença.  

VALORES DE REFERÊNCIA DE FERRITINA SÉRICA NO SANGUE

Os valores normais dos níveis de ferritina sérica no sangue devem estar entre os valores representados abaixo. As causas dos valores alterados estão descritas acima.

– Recém-nascidos: de 25 a 200 microg/L.

– 1 mês : de 200 a 600 microg/L.

– De 2 a 5 meses: de 50 a 200 microg/L.

– De 6 meses a 15 anos: de 10 a 150 microg/L.

– Sexo Masculino:  de 26 a 446 microg/L.

– Sexo Feminino: de 15 a 149 microg/L.

É sempre importante conferir também os intervalos de referência adotados no laboratório em que seu exame foi processado, pois podem haver pequenas diferenças nos valores de referência informados neste artigo.

COMO O EXAME É REALIZADO?

A amostra é obtida de uma maneira simples e rápida, sendo necessário realizar uma coleta sanguínea de uma veia do braço do paciente. Em seguida a amostra será enviada para análise.

É NECESSÁRIA ALGUMA PREPARAÇÃO PARA REALIZAR O EXAME?

Alguns laboratórios pedem jejum de no mínimo 4 horas ou mais, onde só se pode ingerir água nesse tempo. Caso o paciente faça uso de biotina ou suplementos alimentares, estes devem ser suspensos por 3 dias, é importante também anotar o uso de medicamentos feitos nos últimos 7 dias  para serem informados ao profissional na hora da coleta.

QUAL O TRATAMENTO PARA AS ALTERAÇÕES NOS NÍVEIS DE CONCENTRAÇÃO DE FERRITINA NO SANGUE?

O tratamento vai depender da causa e deve ser sempre prescrito pelo médico. Geralmente níveis baixos de ferritina podem ser tratados através de suplementação e alimentação ricas em ferro. Em níveis elevados é necessário adotar outras medidas, pode ser preciso diminuir o consumo de alimentos ricos em ferro, também pode ser necessário evitar o uso de suplementos de vitamina C, já que essa vitamina facilita a absorção de ferro.

Em alguns casos em que os níveis de ferro não diminuem, pode ser necessário passar por um procedimento chamado de flebotomia (sangria), em que o sangue é temporariamente removido do corpo para que o excesso de ferro seja eliminado.

QUAL O VALOR DO EXAME  E O PRAZO PARA A ENTREGA DOS RESULTADOS?

O valor e o prazo da entrega devem ser consultados com o laboratório onde será realizado o exame, pois podem variar.